Quando o paciente pode começar o tratamento pós-cirúrgico?

A drenagem linfática deverá ser iniciada 24 horas após a intervenção cirúrgica, pois nesse momento o efeito das substâncias anestésicas utilizadas terá passado e o paciente poderá sentir dor. A drenagem é uma alternativa para trazer alívio no desconforto e evitar o acúmulo de líquido, minimizando assim, a formação de edema. Ela deverá ser feita diariamente na primeira semana e em dias intercalados nas próximas.

Além da drenagem linfática, a partir do 4º ou 5º dia pós-operatório, Débora diz que a drenagem linfática pode ser associada ao uso do Heccus, aparelho de ultra-som de alta potência, com efeitos antiinflamatório, analgésico e antiedematoso, auxiliando na resolução do processo inflamatório. “Este aparelho provoca uma micromassagem tecidual, que melhora a circulação interna e a remodelação de tecido conjuntivo, prevenindo a formação de fibroses”, explica ela.

Após 20 dias do processo cirúrgico, aproximadamente, também pode ser usado a endermoterapia. “A endermoterapia compreende em um aparelho de vácuo sucção, ajudando a reabsorver o edema e hematomas, desagregando a fibrose e evitando aderências cicatriciais”,

O tratamento  pós-operatório imediato visa à diminuição da dor e do edema causado pelo extravasamento de líquidos corporais durante a cirurgia. “Porém, se não tomados os devidos cuidados, poderão surgir fibroses, cicratizes internas que formam um nódulo endurecido sob a pele. Nesse caso, outra abordagem será necessária para a sua resolução. O uso de um aparelho de radiofreqüência, o spectra oferece bons resultados, pois através do aquecimento tecidual interno ajuda a ‘dissolver’ essas fibroses,

Os procedimentos descritos se referem ao tratamento específico de cirurgias plásticas. No entanto,  algumas modalidades podem ser utilizadas em outras cirurgias, como a drenagem linfática, que favorece o retorno venoso do paciente acamado e o uso do ultra-som, por seu efeito analgésico e antiinflamatório.